Ensino familiar no Piauí oitocentista e a negação ao ensino formal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.69532/2178-4442.v21.74623

Palavras-chave:

Ensino-familiar, Ensino-alternativo, Educação, Piauí

Resumo

O presente artigo visa analisar como se desenvolveu o ensino no Piauí entre 1850 e 1859 com ênfase no ensino familiar levando em consideração o contexto socioeconômico e geográfico do Estado. para compreender como se deu a implementação do ensino é preciso levar em consideração alguns aspectos: a dispersão da população piauiense pelo Estado, os conflitos de natureza sociopolíticos e o atraso na implementação do sistema oficial de ensino. esses fatores levaram a criação de formas alternativas de ensino que dialogavam entre si; enquanto as tentativas de implementação do ensino oficial focaram-se nas zonas urbanas, o Ensino Familiar se responsabilizara pelo ensino nas zonas rurais que abrigavam a maior parcela da população. Nessa conjuntura, será analisada qual a função social do Ensino familiar a partir da perspectiva econômica e social e qual o objetivo desse ensino. Além de salientar a distinção entre o abordado no ensino familiar e formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Manoel Rodrigues Pachêco Júnior, Universidade Estadual do Piauí

Licenciatura plena em História, Coordenação do curso de História - CCHL. Formado em licenciatura plena em História pela Universidade Estadual do Piauí, pesquiso acerca dos sistemas de ensino piauienses em voga no século XIX, com foco no ensino familiar.

Salânia Maria Barbosa Melo, Universidade Estadual do Piauí

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Mestrado em Educação pela UFPI e Doutorado em Educação Brasileira na Universidade Federal do Ceará -UFC-(2009). Pós-doutora pela Universidade Federal da Paraíba. (2013).

Referências

ALVES, Graciete Oliveira Felipe. Aspectos históricos da educação do piauí da colônia até os primórdios da república. Anais IV FIPED... Campina Grande: Realize Editora, 2012. Disponível em: <https://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/246>. Acesso em: 07/12/2021 20:52.

BRANDÃO, Tanya Maria Pires. A elite colonial piauiense: família e poder. Prefeitura Municipal de Teresina, Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1995.

BRITO, Anísio. Obra reunida de Anísio Brito. Anísio Brito; Reginaldo Miranda (org.).

Teresina: Academia Piauiense de Letras / Casa Anisio Brito, (Arquivo Público CDD981.22), 2018.

COSTA, F. A Pereira. Cronologia histórica do Estado do Piauí. 2. ed. Rio de Janeiro: Artenova, 1974.

COSTA FILHO, Alcebíades. A escola do sertão: ensino e sociedade no Piauí, 1850-1889.

Teresina: Fundação Cultural Mons. Chaves, 2006.

COSTA, Francisca Raquel da. Escravidão e liberdade no Piauí oitocentista: alforrias, reescravização e escravidão ilegal de pessoas livres (1850-1888).

DANTAS, Elza Alves. As letras da lei x As leis das letras: exames de capacidade profissional e a instrução pública na Província do Ceará (1856-1888). 2010

DE CARVALHO FRANCO, Maria Sylvia. Homens livres na ordem escravocrata. Unesp, 1997.

DURKHEIM, Emile. Educação e sociologia. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1975.

DE SOUSA NETO, Marcelo. Entre vaqueiros e fidalgos: sociedade, política e educação no Piauí (1820-1850). 2009. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco.

LIMA, Jéssika Maria.O legado das professoras leigas no ensino rural no Piauí 1960 –

Revista Vozes, Pretérito & Devir. Ano VIII, Vol. XII, Nº I. p. (34 - 53), 12 de setembro de 2020.

MONTEIRO, Hamilton de M. Nordeste insurgente.(1850-1890). 1981.

MOTT, Luiz R. B. Fazendas de gado do Piauí: 1697–1762. In: Piauí Colonial: População, economia e sociedade. Teresina: Projeto Petrônio Portella, 1985.

MOTT, Luiz R. B. Os índios e a pecuária nas fazendas de gado do Piauí colonial. Revista de Antropologia, v. 22, p. 68. DOI: https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.1979.110804

MOTT, Luiz. Piauí colonial: população, economia e sociedade. 2. ed. Teresina: APL; FUNDAC; DETRAN, 2010. 200 p.il. Coleção Grandes Textos - vol. 8.

NETO, Marcelo de Sousa. O ensino e a reforma provincial de 1845: a Instrução Pública na província do Piauí (1834-1852) Revista Teias. v. 22, n. 65. p. (362- 381), junho de 2021. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2021.50069

SAMPAIO, Antonio. Velhas escolas - grandes mestres. Esperantina: Prefeitura Municipal, 1996.

SILVA, Mairton Celestino da. Batuque na rua dos negros: Cultura e polícia na Teresina da segunda metade do século XIX. 2008.

REIS, Darianny Araújo dos. Currículo intercultural crítico na escola: Formação que produz diferenças. Revista Teias. v. 18, n. 50, p. (135 - 150), setembro de 2017 DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2017.29154

Fontes Documentais:

BRASIL. Leis e Decretos do Império (1850-1889), Biblioteca de apoio, APPL.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Recenseamento do Brasil 1872. Piauí.

PIAUÍ, Resolução n. 287-10 set. 1850. DOI: https://doi.org/10.1007/BF02961625

PIAUÍ. Legislação Provincial (1850-1889), Biblioteca de apoio, APPI.

Relatórios da presidência da província, 02.07.1857, APPI.

Relatórios da presidência da província, 07.03.1857, https://dds.crl.edu/crldelivery/5605

Relatórios da presidência da província, 07.05.1870, https://dds.crl.edu/crldelivery/5605

Relatórios da presidência da província, 19.04.1877 e 31.12.1881, APPI.

Relatórios da presidência da província, 25.12.1870, APPI

Resolução n.485, 13.09.1859, Série Leis e Decretos: Legislação Provincial, (1850 1889), APPI, SÉRIE RELATÓRIOS e Mensagens da Presidência da Província à Assembléia Legislativa do Piauí (1850-1889), Biblioteca de Apoio, APPI.

Downloads

Publicado

26-10-2023

Como Citar

JÚNIOR, M. R. P.; MELO, S. M. B. Ensino familiar no Piauí oitocentista e a negação ao ensino formal. Poíesis Pedagógica, Catalão, v. 21, 2023. DOI: 10.69532/2178-4442.v21.74623. Disponível em: https://periodicos.ufcat.edu.br/poiesis/article/view/74623. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS