O público-alvo da educação especial no ensino superior: bullying e saúde mental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.69532/2178-4442.v21.74614

Palavras-chave:

Bullying, Saúde Mental, Público-alvo da Educação Especial, Ensino Superior

Resumo

O bullying é uma forma de intimidação sistemática de comportamentos agressivos e intencionais entre estudantes. Essa pesquisa intencionou conhecer o sofrimento mental de alunos do público-alvo da Educação Especial vítimas de bullying em uma instituição da Rede Pública de Ensino Superior no município de Fortaleza-Ceará. Especificamente, visou: identificar a forma de bullying praticada; verificar o tipo de sofrimento mental gerado e coletar sugestões junto às vítimas para prevenir bullying. Realizou-se uma investigação de natureza qualitativa, nos moldes de um estudo de caso, com uma amostra intencional de 6 estudantes do público-alvo da Educação Especial. Os resultados indicaram casos de bullying na forma direta (agressões físicas, ofensas verbais); na forma indireta (indiferença, difamação e isolamento) e cyberbullying (ambientes virtuais). Foram verificados um expressivo sofrimento mental nesses educandos e risco de evasão. Os partícipes falaram sobre a necessidade de diálogo na universidade e a implementação de políticas públicas de ações afirmativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Joyce Duarte de Carvalho, Universidade Federal do Ceará

Aluna do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) da UFC nos anos de 2022 e 2023.

Tania Vicente Viana, Universidade Federal do Ceará

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre e doutora em Educação pela mesma instituição. Professora da Faculdade de Educação (Faced) da UFC. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFC.

Referências

ALENCAR, Eunice Maria Lima Sorino et al. Indivíduos com altas habilidades/superdotação: clarificando conceitos, desfazendo idéias errôneas. A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação, v. 1, p. 15-23, 2007.

ALENCAR, Eunice Maria Lima Sorino; FLEITH, Denise De Souza. Superdotados: determinantes, educação e ajustamento. São Paulo: EPU, 2001.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BIRMAN, Joel. O trauma na pandemia do coronavírus: suas dimensões políticas, sociais, econômicas, ecológicas, culturais, éticas e científicas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.

BOGDAN, Roberto C. e BIKLEN, Sari Kinopp. Investigação qualitativa em educação. Coimbra: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação. PNEE: Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação – Brasília; MEC. SEMESP. 2020. 124p.

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 15, p. 679-684, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017. Acesso em: 11 ago. 2023.

FANTE, Cleo. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Campinas: Verus, 2005.

LOPES NETO, Aramis A. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de pediatria, v. 81, p. s164-s172, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0021-75572005000700006. Acesso em: 15 jun. 2023.

MANZINI, Eduardo José. Política de educação especial: considerações sobre público-alvo, formação de professores e financiamento. Revista on line de Política e Gestão Educacional, v. 22, n. 2, p. 810-824, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11914. Acesso em: 04 jul. 2023.

MATOS, Patricia Andréa Victorio Camargo de. Síndrome do impostor e auto-eficácia de minorias sociais: alunos de contabilidade e administração. 2014. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.12.2014.tde-07012015-175044. Acesso em: 10 jul. 2023.

OMOTE, Sadao. Deficiência e não-deficiência: recortes do mesmo tecido. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 01, n. 02, p. 65-73, 1994. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-65381994000100007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 06 jul. 2023.

PÊGO, Francinara Pereira Lopes; PÊGO, Delcir Rodrigues. Síndrome de burnout. Rev. bras. med. trab, p. 171-176, 2016. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-793661. Acesso em: 10 jul. 2023.

VENTURA, Magda Maria. O estudo de caso como modalidade de pesquisa. Revista SoCERJ, v. 20, n. 5, p. 383-386, 2007. Disponível em: http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2007_05/a2007_v20_n05_art10.pdf. Acesso em: 10 jul. 2023.

Downloads

Publicado

26-10-2023

Como Citar

CARVALHO, J. D. de; VIANA, T. V. O público-alvo da educação especial no ensino superior: bullying e saúde mental. Poíesis Pedagógica, Catalão, v. 21, 2023. DOI: 10.69532/2178-4442.v21.74614. Disponível em: https://periodicos.ufcat.edu.br/poiesis/article/view/74614. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS