Educação para o desenvolvimento sustentável: orientações do IICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.69532/2178-4442.v21.74612

Palavras-chave:

Desenvolvimento Sustentável, Educação, Organizações Internacionais

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar e analisar a concepção educacional para as áreas rurais brasileiras, a partir dos anos 2000, do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), bem como, os pressupostos filosóficos e pedagógicos contidos nessa concepção. Utilizou-se para tal, a pesquisa de base documental, considerando os documentos do Instituto como fontes primárias do objeto de pesquisa e, guiada pelo Método do Materialismo Histórico Dialético, procurou-se pensar dialeticamente as contradições que orientaram a problemática de pesquisa: Qual a concepção educacional para as áreas rurais brasileiras, a partir dos anos 2000, do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA)? O desenvolvimento da pesquisa desvelou que o Instituto é guiado por uma concepção de “educação para o desenvolvimento sustentável”, ancorada na capacitação e forjada e engendrada em parceria com a UNESCO. É uma concepção de educação para as áreas rurais, que visa a manutenção e a reprodução do capitalismo nesses espaços, de avanço do agronegócio e de reconcentração de terras, bem como, de reprodução da força de trabalho sob condições de total precarização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fernanda de Aragão Mikolaiczyk, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Mestra em Educação (2016) e formada em Pedagogia: Docência e Gestão Educacional (2012), pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Desenvolve estudos e pesquisas sobre as políticas de financeirização da educação pública, o trabalho docente e os aparelhos privados de hegemonia na educação.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 13 ed. rev. ampl. São Paulo: Cortez, 2008.

BORDENAVE, Juan Díaz. Modernização da agricultura e cooperação internacional: 25 anos do IICA no Brasil. Brasília: IICA, 1990. Disponível em <http://orton.catie.ac.cr/repdoc/A8702P/A8702P.PDF>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

CIAVATTA, Maria. O conhecimento histórico e o problema teórico-metodológico das mediações. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (Orgs.). Teoria e educação no labirinto do capital. Rio de Janeiro: Vozes, 2001, p. 121-144.

CMMAD. COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2 ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

DELORS, Jacques. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. São Paulo: Cortez; MEC; UNESCO, 1998.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. In: ARAUJO, Ronaldo M. L.; RODRIGUES, Doriedson S. (Org.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas, SP: Alínea, 2012, v. 1, p. 52-71.

FURTADO, Ribamar; FURTADO, Eliane. A Intervenção Participativa dos Atores – INPA: uma metodologia de capacitação para o desenvolvimento local sustentável. Brasília: IICA, 2000. Disponível em <https://books.google.com.br/books/about/A_interven%C3%A7%C3%A3o_participativa_dos_atores.html?id=fQYLHQAACAAJ&redir_esc=y>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

GADOTTI, Moacir. A questão da educação forma/não-formal. Disponível em <http://www.paulofreire.org/Moacir_Gadotti/Artigos/Portugues/Educacao_Popular_e_EJA/Educacao_formal_nao_formal_2005.pdf>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. In: Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, jan./mar., 2006. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. v. 3. Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000b.

HIDALGO, Angela Maria. Educação Permanente: a educação formal nos projetos Cidades Educadoras. In: 28ª Reunião Anual da Anped - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação: 40 anos de Pós-Graduação em Educação no Brasil, 2005, Caxambú. Rio de Janeiro: ANPED, 2005. p. 01-15.

IICA. SÉRIE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL. Gestão Social do Território: Experiências no Estado do Maranhão. v. 3. Brasília: IICA, 2005c. Disponível em <http://www.iicabr.iica.org.br/wp-content/uploads/2014/03/DRS-03.pdf>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

LESSA, Sergio. A ontologia de Lukács. Maceió: EDUFAL, 1996.

MANACORDA, Mario Alighiero. O que é trabalho. In: ______. Marx e a Pedagogia Moderna. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1991, p. 43-66.

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MÉSZÁROS, István. O socialismo no século XXI. In: ______. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2007, p. 225-316.

MIKOLAICZYK, Fernanda de Aragão. Educação como estratégia política e social para o desenvolvimento do meio rural brasileiro: as matrizes conceituais e ideológicas do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA). 2016. 242 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Guarapuava.

NETTO, José Paulo. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

OLIVEIRA, Betty Antunes de. A dialética do singular-particular-universal. In: V Encontro de Psicologia Social Comunitária sobre o tema: O método materialista histórico-dialético promovido pela Abrapso-Nucleo Bauru, Neppem e o Departamento de Psicologia da Faculdade de Ciências/Unesp-Bauru, nos dias 16 a 18/08/2001a. Disponível em <http://stoa.usp.br/gepespp/files/3115/17336/ADialeticaDoSingularParticularUniversal.pdf>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

PIRES, Marília Freitas de Campos. O materialismo histórico-dialético e a educação. In: Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 1, n. 1, agosto 1997, p. 83-94. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/icse/v1n1/06.pdf>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

SANFELICE, José Luis. Pós-modernidade, globalização e educação. In: LOMBARDI, José Claudinei (Org.). Globalização, pós-modernidade e educação: história, filosofia e temas transversais. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Autores Associados; HISTEDBR; Santa Catarina: UnC, 2003, p. 3-12.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica. Primeiras aproximações. 2 ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1991.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frentes as novas tecnologias. In: FERRETI, Celso João et al (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. 4 ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

TRICHES, Jocemara. Organizações multilaterais e curso de pedagogia: a construção de um consenso em torno da formação de professores. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós- Graduação em Educação, Florianópolis, SC, 2010.

UNESCO. Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília: UNESCO, 2005. Disponível em <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001399/139937por.pdf>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

Downloads

Publicado

26-10-2023

Como Citar

MIKOLAICZYK, F. de A. Educação para o desenvolvimento sustentável: orientações do IICA. Poíesis Pedagógica, Catalão, v. 21, 2023. DOI: 10.69532/2178-4442.v21.74612. Disponível em: https://periodicos.ufcat.edu.br/poiesis/article/view/74612. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS