Narrativas, biografias e sujeitos: perspectivas para a História da Educação e o século XVIII em Goiás

Autores

DOI:

https://doi.org/10.69532/2178-4442.v21.74555

Palavras-chave:

Narrativa, Hstória da educação colonial, Cultura escrita

Resumo

O interesse pela narrativa e as autobiografias surge no contexto da crise da “razão iluminista” e da modernidade. Houve o esgotamento dos modelos estruturalistas e positivistas de explicação do mundo, ocasionando, no âmago do conhecimento científico e das Ciências Humanas, novas abordagens e categorias. Pode-se dizer que o campo de pesquisa História de Vida ou Autobiografias emergiu, entre outras coisas, para recuperar a ação do sujeito no contexto das relações sociais. Por outro lado, as questões colocadas por esse novo campo de pesquisa abrem, sem dúvidas, perspectivas para a História da Educação e as sociedades do século XVIII, como, por exemplo, a sociedade colonial no Brasil. Desse modo, buscamos nas próximas linhas caracterizar a proposta metodológica da pesquisa autobiográfica e apontar as contribuições para a História da Educação do Brasil Colonial, em especial na Capitania de Goiás.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alan Ricardo Duarte Pereira, IFRS

Doutor em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG, 2020). Mestre em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG, 2016). Graduado em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG, 2013). Graduado em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2016).

Referências

Arquivo Histórico Ultramarino (AHU). Caixas: 1-59.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.) Memória, identidades, experiências.... Destacados educadores brasileiros em histórias de vida. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2018.

____. (Org.). A Aventura (Auto)Biográfica - teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

____. (Org.) Destacados Educadores Brasileiros: suas histórias, nossa história. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2016.

ADORNO, Theodor W, (2003). Educação após Auschwitz.. In:____. Educação e Emancipação. São Paulo: Paz e Terra, p. 119-138.

ALMEIDA, J. S. de . Mulheres na educação: missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, Dermeval. et al. O legado educacional do século XX. . Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

CAMPOS, M. C. S. de S. ; SILVA, V. L. G. (Org.) . Feminização do magistério: vestígios do passado que marcam o presente. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

CATARNI, Denice Barbara. FARIAS FILHO, Luciano Mendes de. Um lugar de produção e a produção de um lugar : a história e a historiografia divulgadas no GT História da Educação da ANPEd (1985-2000). Rev. Bras. Educ. (19), Abr 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/gh7nGVYpKmBgjShVFSSB8Bv/?format=pdf&lang=pt .

Acesso em 31/03/2023.

DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.

FERRAROTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, António. FINGER, Mathias (orgs). O método (Auto) Biográfico e a Formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988, p.31-59.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. Historiografia da educação na América portuguesa: balanço e perspectivas. In: CONGRESSO DE PESQUISA E ENSINO EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS. Anais 2., 2003, Uberlândia.

_______. O ensino régio na Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. Letras, ofícios e bons costumes: civilidade, ordem e sociabilidades na América portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FONSECA, Marcus Vinícius. O predomínio de negros nas escolas de Minas Gerais do século XIX. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n.3, p. 585-599, set./dez. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/dchpPx4Fq4cN7ncftpNM5Bs/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 31/03/2023.

____.BARROS. POMBO, Surya Aaronovich (orgs). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016.

____. Pretos, pardos, crioulos e cabras nas escolas mineiras do século XIX. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FURTADO, Júnia Ferreira. Homens de negócio: a interiorização da metrópole e do comércio nas Minas setecentistas. São Paulo: Hucitec, 1999.

HOBSBWM, Eric. Erados Extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORI, Mary; PINSKY, Carla Bassanezi (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2017. P. 443-481.

MUNIZ, Diva do Couto Gontijo. Um toque de gênero: história e educação em Minas Gerais no século XIX (1834- 1892). Brasília: EDUNB/Finatec, 2003.

MATOS, Olgária Chain Féres. A escola de Frankfurt: luzes e sombras do iluminismo. São Paulo: Moderna, 2006.

PASSEGGI, M. C. y Souza, E. C. (2017). O Movimento (Auto)Biográfico no Brasil: Esboço de suas Configurações no Campo Educacional. Investigación Cualitativa, 2(1) pp. 6-26.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Mulheres Educadas na Colônia. IN: LOPES, Eliane, M.T; Faria F°, Luciano M. e VEIGA , Cynthia G. ( orgs ). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 79-84.

RACHI, Sílvia. Por mãos alheias: usos da escrita na sociedade colonial. Belo Horizonte: PUC-MG, 2016.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa (tomo 1). Campinas: Papirus, 1994.

_____. O si-mesmo como um outro. Campinas: Papirus, 1991.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas: Autores Associados, 2018.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

VALDEZ, D. (Org.). (2017). Dicionário de educadores e educadoras em Goiás: séculos XVIII/XXI. Goiânia, GO: Editora da UFG.

VALDEZ, , D., & ALVEZ, M. F. (2019). Espaços de educar: biografias femininas e ensino de história da educação. Revista Brasileira De História Da Educação, 19, e082. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/47207 . Acesso em: 31/03/2023.

Downloads

Publicado

23-10-2023

Como Citar

PEREIRA, A. R. D. Narrativas, biografias e sujeitos: perspectivas para a História da Educação e o século XVIII em Goiás. Poíesis Pedagógica, Catalão, v. 21, 2023. DOI: 10.69532/2178-4442.v21.74555. Disponível em: https://periodicos.ufcat.edu.br/poiesis/article/view/74555. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS