Homens pedagogos: o trabalho docente na educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v20.74468

Palavras-chave:

Trabalho docente. Homem pedagogo.

Resumo

O presente texto trata do trabalho desenvolvido ao longo do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Goiás na disciplina TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) durante o ano de 2019, acrescida de observações após a aprovação do projeto de mestrado. A partir da vivência escolar, da experiência de trabalho na Educação Infantil, das observações e leituras de textos acadêmicos que discute a temática sobre a questão do gênero na Educação Infantil e Ensino Fundamental I, parte-se do pressuposto de analisar e refletir a prática docente do professor homem e de suas nuanças entendendo como esse profissional é percebido na comunidade escolar. A pesquisa orientou-se a partir da experiência própria, observando a pouca representatividade de homens na educação infantil, o qual suscitou algumas inquietações: Por que encontramos tão poucos pedagogos nas salas de aulas? O que está por trás dessa ausência, já que nas instituições formadoras há a presença de tantos estudantes homens? Então, em posse dessas questões, em busca de literatura especializada e pesquisa documental, fomos em busca de entender por que há a feminização da educação infantil e como isso reverbera no trabalho docente. Para tanto, utilizamos de autores como: Marx (1984), Hobsbawm (1991), Sayão (2005). Ariès (2014), Aranha (2006) e Cambi (1999). Dessa forma, entendemos que ainda há lacunas sobre a dimensão do homem pedagogo e de seu trabalho na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I. O nosso texto assoma-se a outros trabalhos que visam compreender as novas configurações de gênero do trabalho docente, bem como o preconceito envolvido nessa profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Nicolau Ferreira de Andrade, Prefeitura Municipal de Goiânia

Mestre em Educação UFG/FE. Pedagogo licenciado pela UFG. Licenciado em História pela Faculdade Paulista São José. Possui graduação em Gestão em Segurança Pública e Privada pela Faculdade Cambury de Goiânia e graduação em Teologia - FABRA. Pós-graduado em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Paulista São José. Atualmente é agente educativo na Prefeitura Municipal de Goiânia, atuando na Escola Municipal Professora Amélia Fernandes Martins. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação.

Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação e da pedagogia: Geral e Brasil. 3 ed. rev. ampl. SP: Moderna, 2006.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2.ed. Tradução de Dora Flaksman. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2005.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996, 2. ed. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2018. 58 p.

CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: Ed. da Unesp, 1999.

CROCHÍK, José Leon. Preconceito, indivíduo e cultura. 1ª reimp. da 3ª ed. de 2006. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

DICIONÁRIO. Grego Português-Português Grego. Coleção dicionários modernos, Ed. Porto Seguro, São Paulo, SP: 2014.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra; 2005.

GONÇALVES, J. P. O perfil profissional e representações de bem-estar docente e gênero em homens que tiveram carreiras bem-sucedidas no magistério. 2009. 232 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC/RS, Porto Alegre, 2009.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

HOBSBAWM, Eric J. A Era das Revoluções (1798-1848). Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1991.

HYPOLITO, A. M. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. Campinas, SP: Papirus, 1997.

KANT, Emmanuel. Sobre a Pedagogia. Tradução: FONTANELLA, Francisco, 2002.

KRAMER, Sonia. Formação de Profissionais de Educação Infantil: questões e tensões. In:______. (Coord.). Relatório de Pesquisa Formação de Profissionais da Educação Infantil no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ravil, 2001, 160 p. (Relatório de Pesquisa CNPq/FAPERJ). p. 89-104.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. 11 ed. Petrópolis, RJ: Vozes 2010.

MARX, Karl. Trabalho Estranhado e Propriedade Privada. In. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MARX. Karl. O capital. São Paulo: Difel, 1984.

NÓVOA, Antônio. Vidas de professores. Porto. Porto Editora, 1995.

PARO, Vitor Henrique. A natureza do trabalho pedagógico. In: PARO, Vitor. Gestão democrática da escola pública. 3ª edição. Editora Ática. 2001.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creches. 273 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Florianópolis, 2005.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 5-22, jul./dez.1990.

Downloads

Publicado

2022-12-31