Preceptoria como espécie de educação doméstica: contribuições interpretativas da literatura de Mário de Andrade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v20.74466

Palavras-chave:

Preceptoria, Educação doméstica, Amar verbo intransitivo, Atrás da Catedral de Ruão

Resumo

Considerando que a educação doméstica consiste em prática que atravessa a história e que no Brasil se mostrou preponderante no Século XIX e ainda demandada nas primeiras décadas do século XX, o presente artigo tem a pretensão de discutir a classificação do ensino domiciliar e identificação de suas espécies, bem como apropriar da literatura modernista de Mário de Andrade que abordou a temática educativa, como artefato cultural que pode ser lido pelos historioridadores do presente. Verificamos que nem todas as mulheres que ensinavam nas casas podem ser classificadas como preceptoras, pois o critério primordial é trabalhar e morar nas casas das famílias contratantes. O método utilizado é a análise crítica de fonte, consubstanciada na operação historiográfica preconizada por Michel de Certeau ([1975]/2020).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Mário de. Amar, verbo intransitivo: idílio (1944). 16. ed. Belo Horizonte: Villa Rica, 1995. (Coleção Biblioteca de Literatura Brasileira, 2). 155 p.

ANDRADE, Mário de. Amar, verbo intranzitivo: idílio. 1. ed. São Paulo: Casa Editora Antonio Tisi, 1927. 231 p.

ANDRADE, Mário de. Atrás da Catedral de Ruão. In: ANDRADE, Mário de. Contos Novos (1947). Tradução do francês (Conto Atrás da Catedral de Ruão) de Julio Talhari. Barueri: Novo Século, 2017.

BARROS, José D'Assunção. Os conceitos: seus usos nas ciências humanas. Petrópolis: Vozes, 2016.

BOTO, Carlota. A invenção do Emílio como conjectura: opção metodológica da escrita de Rousseau. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 207-225, abr. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000100002. Acesso em: 7 dez. 2020.

BOTO, Carlota. Instrução pública e projeto civilizador: o século XVIII como interprete da ciência, da infância e da escola. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 2017.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da história (1975). Tradução de Maria de Lourdes Menezes. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2020.

CHARDIN, Jean-Baptiste-Siméon. A Governanta. 1739. Óleo sobre tela, 46,5 x 37,5 cm.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. (org.). Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números (1982). Tradução de Vera da Costa e Silva et al. 16. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

COOPER, David E. John Stuart Mill 1806-73. In: PALMER, Joy A. (org.). 50 grandes educadores: de Confúcio a Dewey. Tradução de Mirna Pinsky. 1. reimp. São Paulo: Contexto. 2008. p. 133-137.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação escolar e educação no lar: espaços de uma polêmica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96 - Especial, p. 667-688, out. 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000300003. Acesso em: 15 mar. 2021.

FERNANDES, Aníbal. Apresentação. In: JAMES, Henry. Preceptores: Gabrielle de Bergerac seguido de o Discípulo. Tradução de Aníbal Fernandes. Lisboa: Sistema Solar, 2017. p. 7-15.

FERNANDES, Rogério. Os caminhos do ABC: sociedade portuguesa e ensino das primeiras letras. Porto: Porto Editora, 1994.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. reimp., 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010. 2.222 p.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder (1979). 22. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. LOPES, Eliane Marta Teixeira. Território plural: a pesquisa em história da educação. São Paulo: Ática, 2010.

GARCIA, Ronaldo Aurélio Gimenes. John Locke: por uma educação liberal. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 12, n. 47, p. 363-377, set. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640057. Acesso em: 7 fev. 2020.

HAGAN, Timothy O’. Jean-Jacques Rousseau 1712-78. In: PALMER, Joy A. (org.). 50 grandes educadores: de Confúcio a Dewey. Tradução de Mirna Pinsky. 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2008. p. 73-79.

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Análise estética: a governanta (1739). Jean-Baptiste-Siméon Chardin. Óleo sobre tela, 46,5 x 37,5 cm. [S. l.]: História das Artes, 2021. Disponível em: https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/a-governanta-jean-baptiste-simeon-chardin/. Acesso em: 7 jul. 2021.

LOCKE, John. Ensaio sobre o entendimento humano. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

LOCKE, John. Some Thoughts Concerning Education: philosophers of the seventeenth and eighteenth centuries. New York: P. F. Collier & son, 1910. (Harvard classics, XXXVII). Disponível em: https://sourcebooks.fordham.edu/mod/1692locke-education.asp. Acesso em: 23 mar. 2021.

MACHADO, Maria Cristina Gomes. Estado e Educação na Perspectiva de John Locke. In: Congresso Brasileiro de História da Educação, n. 5, 2008, Aracaju, SE. Anais eletrônicos do V Congresso Brasileiro de História da Educação: o ensino e a pesquisa em História da Educação. Aracaju: EdUFG, 2008.

MERQUIOR, José Guilherme. Locke: direitos, consenso e confiança. In: MERQUIOR, José Guilherme. O Liberalismo: antigo e moderno. Tradução de Henrique Araújo Mesquita. 3. ed. ampl. São Paulo: É Realizações, 2014. p. 94-97.

MONTEIRO, Maria Conceição. Sombra errante: a preceptora na narrativa inglesa do século XIX. Niterói: EdUFF, 2000. (Coleção Ensaios, 17).

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo, Anno XL, n. 12922, 8 maio 1914, Caderno Geral, p. 13.

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo, Anno XLIX, n. 16.179, 15 maio 1923, Secção de Annuncios, p. 10.

PERROT, Michelle (org.). História da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia de Bolso, 2009. 4 v.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução de Angela M. S. Corrêa. 6. reimp., 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

PROST, Antoine. Doze lições sobre a história (2008). Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. 4. reimp., 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. (Coleção História e historiografia, 2).

RIZZINI, Irene. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Edições Loyola, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 16. ed. Porto: Afrontamento, 2010.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013. (Coleção memória da educação).

SCHÜLER, Donaldo. Eros: dialética e retórica. São Paulo: EDUSP, 1992. (Coleção Campi, 5).

SMITH, Richard. John Locke 1632-1704. In: PALMER, Joy A. (org.). 50 grandes educadores: de Confúcio a Dewey. Tradução de Mirna Pinsky. 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2008. p. 61-66.

SOUZA, Rosa Fátima de (org.). Templos de civilização: a implantação da Escola Primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). 2. reimp. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

SOUZA, Rosa Fátima de. Alicerces da pátria: história da escola primária no estado de São Paulo (1890-1976). Campinas: Mercado de Letras, 2009.

VALLE, Gabriel. Dicionário latim-português. São Paulo: IOB-Thomson, 2004.

VASCONCELOS, Maria Celi Chaves (org.). Educação domiciliar no Brasil: mo(vi)mento em debate. Curitiba: CRV, 2021. https://doi.org/10.24824/978655868569.2

VASCONCELOS, Maria Celi Chaves. A casa e os seus mestres: a educação doméstica como prática das elites no Brasil de oitocentos. 2004. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

Downloads

Publicado

2022-12-31