Mediação pedagógica, um conceito potente e ausente? O que diz a produção acadêmica no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v20.74047

Palavras-chave:

Mediação pedagógica, Epistemologia, Teoria histórico-cultural

Resumo

O tema da mediação pedagógica tem ganhado relevância diante de um cenário cada vez mais desafiador para a educação. Para este artigo foi feita uma pesquisa bibliográfica (2014-2018) acerca da temática na produção acadêmica, a fim de compreender sob quais concepções este conceito tem sido apoiado. Como resultado, o termo Mediação Pedagógica aparece na maioria dos trabalhos relacionado à teoria histórico-cultural. Não obstante, foi possível observar que algumas produções, mesmo não se filiando explicitamente ao campo em questão revelam partilhar do entendimento comum à teoria supracitada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gercina Santana Novais, Universidade de Uberaba

Possui graduação e Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (1982), graduação em Ciências Biológicas pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ituiutaba (1976), especialização em Filosofia e Pesquisa em Educação, mestrado e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2005).Diretora da extensão da UFU, no período de 2001 a 2008. Professora da Educação Básica - 1987 a 2009, Professora de cursos de graduação 2011 a 2017. Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia, professora do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba - UNIUBE, Lider do Grupo de Pesquisa Formação Docente, Direito de Aprender e Práticas Pedagógicas- FORDAPP- e Secretária de Educação do Município de Uberlândia (2013-2016). Tem experiência nas áreas de Educação, Psicologia e Políticas públicas, com ênfase em Psicologia e educação escolar, educação e inclusão social, Gestão e produção de resultados educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: Currículo e educação; Formação docente e Práticas pedagógicas; Metodologias participativas de trabalho pedagógico, Dificuldades de Aprendizagem; Resultados educacionais, qualidade social da educação e inclusão escolar e social; Educação Popular; gênero e educação; gênero e violência intrafamiliar.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

COSTA, Isabel Marinho da. Concepções de mediação pedagógica: a análise de conteúdo a partir da biblioteca digital brasileira de teses e dissertações - BDTD (2000-2010). 2013. 164 f. Tese (Doutorado) - Curso de Graduação em Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/4767/1/arquivototal.pdf. Acesso em: 14 out. 2020.

FERREIRA, Fernanda Carvalho. Mediação pedagógica no acolhimento institucional e as práticas socioeducativas com crianças e adolescentes nas relações de conflitos, 125f. Dissertação de Mestrado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Leopoldo, RS, 2014.

FONSECA, Vítor da. Aprender a aprender: a educabilidade cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 1998.

FREIRE. Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2005.

LABIAK, Fernanda Pereira. A mediação pedagógica na educação a distância à luz de algumas contribuições de Reuven Feuerstein, 193f. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarin. Florianópolis, SC, 2016.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da Educação. Da antiguidade aos nossos dias. Trad. Gaetano Lo Monaco. São Paulo: Cortez Editora, 2010.

MARTINS, Lígia Márcia. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico cultural e pedagogia histórico crítica. 250f. 2011. Tese de Livre-docência. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus Bauru, 2011

MEIER, Marcos; GARCIA, Sandra. Mediação da aprendizagem: contribuições de Feuerstein e de Vygotsky. Curitiba: Pallotti, 2011.

O PENSADOR, Gabriel. Estudo errado. Brasil, [20]. Disponível em: https://www.letras.mus.br/gabriel-pensador/66375/. Acesso em: 22 out. 2020.

PIAGET, Jean. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

PRESTES, Zoia. Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vygotsky no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SAMPAIO, Lia Regina Castaldi; BRAGA NETO, Adolfo. O que é a mediação de conflitos. São Paulo: Editora Brasilense, 2017.

SANTOS, Cáritas Vanucci Batista. Uma concepção de mediação pedagógica utilizada como ferramenta para o ensino da escrita [recurso eletrônico] / Cáritas Vanucci Batista Santos. – 2014. 1 CD-ROM; 4 3/4 pol.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

SILVA, Janaina Cassiano. A apropriação da psicologia histórico-cultural na educação infantil brasileira: análise de teses e documentos oficiais no período de 2000 a 2009 / Janaina Cassiano Silva. -- São Carlos: UFSCar, 2013. 277 f. Tese (Doutorado) -- Universidade Federal de São Carlos, 2013.

VIANA, Flávia Roldan; Gomes, A. L. L. Análise do desenvolvimento do processo de autorregulação por alunos com deficiência intelectual: implicações dos princípios de mediação de Feuerstein na intervenção pedagógica tutorada. 319f. - Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2016.

VYGOTSKY Lev Semyonovich. A Formação Social da Mente São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2022-12-31