Educação hegemônica do silêncio? O sentido e o poder da palavra dos professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v20.73598

Palavras-chave:

educação hegemônica do silêncio; educação do silenciamento; professores.

Resumo

O artigo dá centralidade à discussão da educação hegemônica do silêncio que se preocupa em retirar a palavra dos professores. Enfatiza-se seu agravamento em tempos de pandemia de Covid-19 -seja no ensino remoto emergencial ou no retorno às aulas presenciais, o que tem causado efeitos diversos nos sujeitos. A perspectiva de Paulo Freire é evocada como alternativa de compreensão e enfrentamento das deliberações impostas, pois se propõe a ser anti-hegemônica. Conclui-se que, de certa forma, a maioria dos professores está sentindo a imposição de uma educação dos silêncios, cujo objetivo principal não é somente destituí-los do sentido e poder de sua palavra, mas também os impedirde seu princípio de liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Martins Oliveira Magalhães, Universidade Federal de Goiás

Psicóloga, pedagoga. Dra em Educação. Professora do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação/ UFG

Referências

ALVES, Lynn. Educação remota: entre a ilusão e a realidade. Interfaces Científicas, Aracaju, v.8, n.3, p. 348-365, 2020.

BALL, Stephwn J. Reforma educacional como barbárie social: economismo e o fim da autenticidade. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 7, n. 1, p. 33-52, jan./jun. 2012.

BALL, Stephwn J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, 2002, 15(2), pp. 03-23.

BALL, Stephwn J.; MAINARDES, Jeferson. Políticas Educacionais-questões e dilemas. São Paulo: Editora Cortez, 288p., 2011.

BERGER, Peter L. Um Rumor de Anjos. Ed. Vozes, RJ, 1973.

CAMINI, Isabela. Cartas pedagógicas: aprendizados que se entrecruzam e se comunicam. Porto Alegre: ESTEF, 2012.

CAVALCANTI, Rodrigo de Camargo. Capitalismo humanista, a retórica patética e o

espírito de Omertá. Thesis, São Paulo, ano VIII, n. 18, p. 20-40, 2° semestre, 2012.

COSTA, José Junio Souza da. A educação segundo Paulo Freire: uma primeira análise filosófica. Theoria - Revista Eletrônica de Filosofia. Volume VII – Número 18. Faculdade Católica de Pouso Alegre Ano 2015 – ISSN 1984-9052

NAKANO, Tatiana de Cassia; ROZA, Rodrigo Hipólito; OLIVEIRA, Allan Waki de. Ensino remoto em tempos de pandemia: reflexões sobre seus impactos. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 1368-1392, jul./set. Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo – PUC-SP, 2021.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. FAUNDEZ, Antônio. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, Paulo. Algumas notas sobre humanização e suas implicações pedagógicas. In: Ação Cultural para a Liberdade: e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE, Paulo. Freire, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: 45ª ed. Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo; Ira Shor. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. 9ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sergio. Pedagogia: diálogo e conflito. São Paulo 4ª ed. Cortez, 1995.

GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho: ensinar e aprender com sentido. São Paulo: Grubhas, 2003.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Antonio Gramsci: introdução ao estudo da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce. Ed. e trad. de Carlos N. Coutinho. Coed. de Luiz S. Henriques e Marco A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. v. 1

GRAMSCI, Antonio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GRAMSCI, Antonio. Quaderni del carcere. (4 vols.) Edição de Valentino

Gerratana. Torino. Editora Einaudi, 1975.

GUATTARRI, Felix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

NETO, José Firmino de Oliveira; ROSA, Dalva Eterna Gonçalves; OLIVEIRA, Leandro Gonçalves Oliveira. O trabalho docente na universidade no contexto da pandemia da COVID-19: práxis e alienação. Poíesis Pedagógica, Catalão -GO, v. 19, e-69674, 2021.

JOYE, Cassandra Ribeiro; MOREIRA, Marília Maia; ROCHA, Sinara Socorro Duarte. Educação a Distância ou Atividade Educacional Remota Emergencial: em busca do elo perdido da educação escolar em tempos de COVID-19. Research, Society and Development, 9(7): 1-29, e521974299, 2020.

LUZ, Amanda Ribeiro da; SILVA, Frencielle Molon da. Reflexões sobre a inserção profissional como processo de produção de subjetividade individuada. IV Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais. Porto Alegre, RS, Brasil, 2016.

MAGALHÃES, Solange Martins Oliveira. Epistemologia da práxis: enfoque emancipatório e contra hegemônico na produção acadêmica. Revista Intersaberes, vol. 13, n. 30, 2019.

MAGALHÃES, Solange Martins Oliveira; ARAUJO, Sonia; ARGÜELLO, Susana. Agudización ultra neoliberal, educación y formación docente en Brasil y Argentina. Revista Inter-Ação. Dossiê Neoliberalismo e educação: a escolarização pública e democrática sob risco. Goiânia, v. 45, n. 1, jan/abr., 2020a.

MAGALHÃES, Solange Martins Oliveira.; FORTUNATO, I.; MENA, J. A universidade como resistência: em busca de uma epistemologia da práxis. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, 2020b.

MAGALHÃES, Solange Martins Oliveira. A atitude do professor ensina, seu gesto fala: a trama da dimensão ética no campo da docência universitária. Série-Estudos – Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB. Campo Grande, MS, n. 39, p. 199-212, jan./jun. 2015.

MANCEBO, Denise. “Pandemia e educação superior no Brasil” in Revista eletrônica de Educação, vol. 14. São Carlos, 2020a.

MANCEBO, Denise. Trabalho remoto na Educação Superior brasileira: efeitos e possibilidades no contexto da pandemia. Revista USP. São Paulo. n. 127 p. 105-16. outubro/novembro/dezembro, 2020b.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Civilização Brasileira,

Livro I. (18ª ed.).

MESQUIDA, Peri.; AKKARI, Abdeljalil. O logos freireano: os paradoxos da palavra que quebra o silêncio e liberta. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 18, n. 59, p. 1086-1109, out./dez. 2018.

NAKANO, Tatiana de Cassia; ROZA, Rodrigo Hipólito; OLIVEIRA, Allan Waki. Ensino remoto em tempos de pandemia: reflexões sobre seus impactos. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 1368-1392, jul./set. 2021.

NETO, José Firmino de Oliveira; ROSA, Dalva Eterna Gonçalves; OLIVEIRA, Leandro Gonçalves. O trabalho docente na universidade no contexto da pandemia da COVID-19: práxis e alienação. Poíesis Pedagógica, Catalão -GO, v. 19, e-69674, 2021.

NEVES, Lucia M. W. O professor como intelectual estratégico na disseminação da nova pedagogia da hegemonia. In: Reunião Nacional da Anped, 36., 2013, Goiânia, GO. Anais [...]. Goiânia: Andep, 2013.

NUNES, Cleiton Santos. A educação da subjetividade em Kierkegaard e Paulo Freire. Pensando. Revista de Filosofia Vol. 2, Nº 4, 2011.

OLTRAMARI, Andrea Poleto. A carreira e sua auto-gestão. In: FERRAZ, Deise Luiza da Silva; OLTRAMARI, Andrea Poleto; PONCHIROLLI, Osmar. (Org). Gestão de pessoas e relações de trabalho. São Paulo: Atlas, 2011. p.102.

RAMOS, Bruna Sola da Silva. Cartas a Paulo Freire: denúncias de opressão, anúncios de liberdade. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 1174-1197, jul./set. 2021 e-ISSN: 1809-3876. Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo. PUC-SP.

RIOS, Terezinha Azerêdo. Ética e competência. 8. ed. São Paulo: Cortez. Coleção Questões da nossa época, v. 16; 1999.

Downloads

Publicado

2022-12-31